Jump to content
Sign in to follow this  
chrispbr

Software comercial em autoit.

Recommended Posts

Ola Pessoal, tudo certo?

 

Estou com uma duvida e gostaria da ajuda de vcs...

 

Ja faz algum tempo que estou trabalhando em um programa escrito em autoit...

 

Esta chegando na versão final e pretendo comercializar ano que vem, trata-se de um programa de apoio para quem joga poker online...

 

Minhas dividas são:

 

E seguro comercializar um software em autoit ?

 

Ele não é mais vulnerável a decompiladores?

 

Seria mais fácil para alguém crackear meu programa se ele estiver escrito em autoit?

 

Pensando nisso comecei a estudar C/C++, porem ainda vai demorar um bom tempo para que eu consiga fazer em C/C++ o que faço em autoit

 

Seria viável e interessante reescrever todo o programa em C/C++? Ou a pessoa que tiver a capacidade de bular meu programa vai burlar tanto em autoit como C/C++?

 

 

Agradeço a todos que puderem opinar

 

 

Abraço.

 

 

 

Chris Patterson.

Edited by chrispbr

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá.

 

Vou dar meus 10 centavos de contribuição no assunto...

 

O desenvolvimento comercial de sistemas é um assunto muito sério e envolve um trabalho imenso e intenso de análise, programação, suporte e tudo o mais que envolve um projeto desta magnitude!

 

Olhando por este lado, naturalmente queremos que nosso esforço seja protegido contra pessoa (ou pessoas) que possam eventualmente se aproveitar de nossa expertise e principalmente se apropriar de nosso software e repassá-lo sem a devida compensação financeira.

 

Porém, quando falamos em proteção, não estamos falando apenas de sistemas anti-cópia, mas também da possibilidade de descompilação, o que seria muito pior, pois teriam acesso aos nossos "segredos".

 

Assim quando desenvolvemos um sistema temos 2 problema principais:

 

  • Anti-cópia: Impedir ou restringir o acesso de pessoas (físicas ou jurídicas) ao nosso sistema. Neste quesito, teoricamente a cada versão, seria possível modificar o procedimento de proteção de tal forma que seria mais difícil para os "piratas" terem acesso a versões novas melhoradas (ou corrigidas). Porém a internet está aí e é uma prova viva de que qualquer proteção anti-cópia pode ser quebrada. Existem centenas (se não milhares) de páginas de cracks, patches e trainers cobrindo praticamente quaisquer programas imagináveis. Na verdade, houve uma época, em que eu avaliava a qualidade de um software pela quantidade de cracks que haviam, pela lógica simples de que devido à quantidade de pirataria, o programa valia a pena, pelo menos para dar uma olhada!

 

  • Anti-descompilação: o pânico final de todo programador, pois de que adianta você colocar horas e horas de codificação, teste e incomodação num projeto, para que outra pessoa tenha acesso de mão beijada a todo o resultado do seu suor? Desde meus primeiros sistemas comerciais lá em 1986 (PQP!) já existia essa preocupação e ela ainda persiste ainda hoje. Mas ao longo do tempo percebi uma coisa muito importante: Antes eu imaginava que possuir o fonte de algum programa era o que bastava. Hoje percebo que é a maior besteira e sabe por quê? Porque recompilar ou dar manutenção num diabo desses que "não é seu filho natural" é um pesadelo. Estamos falando de milhares e milhares de linhas de código, trocentas funções que nem imaginamos para que servem e muitas outras que nem sabíamos que estão lá, sem falar no relacionamentos dos dados e como eles são manipulados. Mesmo projetos seus, depois de alguns meses já é um problemaço (independente da documentação), imagina o de outrem!

 

Claro que não estamos falando aqui de pequenos scripts de 20, 30 ou até 50 linhas que sinceramente nem valem a pena abrir nem para conhecer, pois tem muitos exemplos nos fóruns (aqui por exemplo) onde é possível pegar toda e qualquer informação e reproduzi-la com muita facilidade.

 

Não pensem que um "script kid" - termo usado para descrever os manés que se aproveitam de códigos postados na internet - tem a mesma capacidade de você que pensou, projetou, desenvolveu e testou um sistema, não importa o tamanho deste!

 

Portanto, a preocupação ainda é válida, mas deve ser compensada com suporte, atendimento, atualizações e principalmente conhecimento! Pois isto é que faz a diferença!

 

Ninguém gosta de ter seu trabalho "furtado" (se bem que às vezes dá uma massageada no ego por saber que alguém achou tão bom que valeu o esforço de copiar), mas mesmo assim...

 

Outro fator preponderante é o preço! Não sou ninguém para dizer se você deve cobrar mais ou menos por seu trabalho, mas tenho certeza que se o preço for adequado (não confundir com justo) o pirata não terá vez! Afinal, o que eu quero dizer é que não é "apenas" um sistema, é todo o ecosistema (preço, suporte, atendimento, atualizações, etc) que mantém os clientes!

 

Também não é por isso que quaisquer técnicas de proteção serão completamente descartadas, afinal como diz aquele ditado: "Confio em Deus, mas tranco meu carro!"

 

Mesmo que alguém descompile seu sistema ou quebre a proteção dele não vai ter vez! E se esta pessoa conseguiu mais sucesso do que você vendendo seu próprio produto, então tem algo errado no seu sistema de vendas ou distribuição, talvez você deva repensar seu modelo de negócios.

 

Eu atualmente trabalho com a opção de comissionamento alto para converter eventuais ladrões em parceiros! Pois se é bom e te dá retorno, porque se incomodar em piratear? Trabalhe junto e mostre que o seu conhecimento, no assunto e na programação, deve ser um plus no negócio e não o contrário!

 

Termino minha contribuição citando um exemplo que aconteceu comigo de mudança de comportamento pessoal nesse sentido.

 

Sempre curti jogos de computador, desde que comecei a mexer com informática, os jogos sempre estiveram presentes na minha vida e estão até hoje! Mas até poucos anos atrás o acesso aos jogos eram complicados, não tinha como adquirir oficialmente e quando tinha eram horrivelmente caros. Isso tudo naturalmente empurrava para a "cópia não autorizada" destes jogos!

 

Depois a própria indústria mudou a sistemática de distribuição e vieram as empresas como Steam, Origin, UPlay, Battle.net e outras. Isto barateou e simplificou o processo de aquisição de jogos de tal maneira que hoje eu me impressiono como que ainda existe alguma cópia pirata! Na nossa turma, todos foram "convertidos" gradualmente a ponto de agora ninguém mais tem nenhum jogo pirata faz anos! Simplesmente porque não vale a pena! Minha coleção pessoal no Steam já ultrapassa os 100 jogos comprados (e jogados) :ninja:

 

Não tenho a palavra final nem quero ter. É apenas minha opinião.

 

Aguardo os comentários.

 

Obrigado.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu tava quieto no meu canto...
Até que vi esse excelente post do @Manimal, que vale muito mais do que o preço que ele disse, quase uma aula!

Resta-me acrescentar muito pouco, mas bateu a vontade:

 

* Dê o software a tapa! Ninguém nasceu sabendo, e mesmo que haja excelentes manuais de como proteger e/ou publicar seu software, um dia esse manual vai ficar velho, e terá que ser readaptado, revisto, atualizado ou apenas como leitura para dar sono de tão velho e sem sentido que é... Enfim, o que quero dizer é, as coisas são dinâmicas, você mesmo irá aprendendo cada vez mais, e sentindo uma "zic-zira" só de olhar daquele código que você fez alguns meses atrás... Então, OUSE!

 

* Foi copiado? Ótimo! É sinal de que seu trabalho ainda não está bom o suficiente, ainda tem mais para melhorar!

* Não seja "purista", de querer fazer tudo somente em AutoIt (ou em uma linguagem só), as vezes distribuir, pode parecer confuso, mas não é... O que quero dizer com distribuir? Veja a linguagem WEB é uma ZONA! HTML + JavaScript + JSON + XML + CSS + PHP! Dá até uma tonteira! Mas cada um faz uma pequena parte que o outro não faz... Tente perceber isso, e não insistir em fazer tudo no AutoIt. Digo isso, para forçar você a ler o meu tópico sobre DLL em C#. Fala uma parte do código em C#, outra parte em AutoIt. Suspeito que "descompilar" uma .dll em C# é mais difícil do que em AutoIt, mas é apenas uma dica.

 

Enfim, boa sorte! As vezes, o sucesso depende de ousadia!

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá.

 

Vou dar meus 10 centavos de contribuição no assunto...

 

O desenvolvimento comercial de sistemas é um assunto muito sério e envolve um trabalho imenso e intenso de análise, programação, suporte e tudo o mais que envolve um projeto desta magnitude!

 

Olhando por este lado, naturalmente queremos que nosso esforço seja protegido contra pessoa (ou pessoas) que possam eventualmente se aproveitar de nossa expertise e principalmente se apropriar de nosso software e repassá-lo sem a devida compensação financeira.

 

Porém, quando falamos em proteção, não estamos falando apenas de sistemas anti-cópia, mas também da possibilidade de descompilação, o que seria muito pior, pois teriam acesso aos nossos "segredos".

 

Assim quando desenvolvemos um sistema temos 2 problema principais:

 

  • Anti-cópia: Impedir ou restringir o acesso de pessoas (físicas ou jurídicas) ao nosso sistema. Neste quesito, teoricamente a cada versão, seria possível modificar o procedimento de proteção de tal forma que seria mais difícil para os "piratas" terem acesso a versões novas melhoradas (ou corrigidas). Porém a internet está aí e é uma prova viva de que qualquer proteção anti-cópia pode ser quebrada. Existem centenas (se não milhares) de páginas de cracks, patches e trainers cobrindo praticamente quaisquer programas imagináveis. Na verdade, houve uma época, em que eu avaliava a qualidade de um software pela quantidade de cracks que haviam, pela lógica simples de que devido à quantidade de pirataria, o programa valia a pena, pelo menos para dar uma olhada!

 

  • Anti-descompilação: o pânico final de todo programador, pois de que adianta você colocar horas e horas de codificação, teste e incomodação num projeto, para que outra pessoa tenha acesso de mão beijada a todo o resultado do seu suor? Desde meus primeiros sistemas comerciais lá em 1986 (PQP!) já existia essa preocupação e ela ainda persiste ainda hoje. Mas ao longo do tempo percebi uma coisa muito importante: Antes eu imaginava que possuir o fonte de algum programa era o que bastava. Hoje percebo que é a maior besteira e sabe por quê? Porque recompilar ou dar manutenção num diabo desses que "não é seu filho natural" é um pesadelo. Estamos falando de milhares e milhares de linhas de código, trocentas funções que nem imaginamos para que servem e muitas outras que nem sabíamos que estão lá, sem falar no relacionamentos dos dados e como eles são manipulados. Mesmo projetos seus, depois de alguns meses já é um problemaço (independente da documentação), imagina o de outrem!

 

Claro que não estamos falando aqui de pequenos scripts de 20, 30 ou até 50 linhas que sinceramente nem valem a pena abrir nem para conhecer, pois tem muitos exemplos nos fóruns (aqui por exemplo) onde é possível pegar toda e qualquer informação e reproduzi-la com muita facilidade.

 

Não pensem que um "script kid" - termo usado para descrever os manés que se aproveitam de códigos postados na internet - tem a mesma capacidade de você que pensou, projetou, desenvolveu e testou um sistema, não importa o tamanho deste!

 

Portanto, a preocupação ainda é válida, mas deve ser compensada com suporte, atendimento, atualizações e principalmente conhecimento! Pois isto é que faz a diferença!

 

Ninguém gosta de ter seu trabalho "furtado" (se bem que às vezes dá uma massageada no ego por saber que alguém achou tão bom que valeu o esforço de copiar), mas mesmo assim...

 

Outro fator preponderante é o preço! Não sou ninguém para dizer se você deve cobrar mais ou menos por seu trabalho, mas tenho certeza que se o preço for adequado (não confundir com justo) o pirata não terá vez! Afinal, o que eu quero dizer é que não é "apenas" um sistema, é todo o ecosistema (preço, suporte, atendimento, atualizações, etc) que mantém os clientes!

 

Também não é por isso que quaisquer técnicas de proteção serão completamente descartadas, afinal como diz aquele ditado: "Confio em Deus, mas tranco meu carro!"

 

Mesmo que alguém descompile seu sistema ou quebre a proteção dele não vai ter vez! E se esta pessoa conseguiu mais sucesso do que você vendendo seu próprio produto, então tem algo errado no seu sistema de vendas ou distribuição, talvez você deva repensar seu modelo de negócios.

 

Eu atualmente trabalho com a opção de comissionamento alto para converter eventuais ladrões em parceiros! Pois se é bom e te dá retorno, porque se incomodar em piratear? Trabalhe junto e mostre que o seu conhecimento, no assunto e na programação, deve ser um plus no negócio e não o contrário!

 

Termino minha contribuição citando um exemplo que aconteceu comigo de mudança de comportamento pessoal nesse sentido.

 

Sempre curti jogos de computador, desde que comecei a mexer com informática, os jogos sempre estiveram presentes na minha vida e estão até hoje! Mas até poucos anos atrás o acesso aos jogos eram complicados, não tinha como adquirir oficialmente e quando tinha eram horrivelmente caros. Isso tudo naturalmente empurrava para a "cópia não autorizada" destes jogos!

 

Depois a própria indústria mudou a sistemática de distribuição e vieram as empresas como Steam, Origin, UPlay, Battle.net e outras. Isto barateou e simplificou o processo de aquisição de jogos de tal maneira que hoje eu me impressiono como que ainda existe alguma cópia pirata! Na nossa turma, todos foram "convertidos" gradualmente a ponto de agora ninguém mais tem nenhum jogo pirata faz anos! Simplesmente porque não vale a pena! Minha coleção pessoal no Steam já ultrapassa os 100 jogos comprados (e jogados) :ninja:

 

Não tenho a palavra final nem quero ter. É apenas minha opinião.

 

Aguardo os comentários.

 

Obrigado.

 

Eu tava quieto no meu canto...

Até que vi esse excelente post do @Manimal, que vale muito mais do que o preço que ele disse, quase uma aula!

 

Resta-me acrescentar muito pouco, mas bateu a vontade:

 

* Dê o software a tapa! Ninguém nasceu sabendo, e mesmo que haja excelentes manuais de como proteger e/ou publicar seu software, um dia esse manual vai ficar velho, e terá que ser readaptado, revisto, atualizado ou apenas como leitura para dar sono de tão velho e sem sentido que é... Enfim, o que quero dizer é, as coisas são dinâmicas, você mesmo irá aprendendo cada vez mais, e sentindo uma "zic-zira" só de olhar daquele código que você fez alguns meses atrás... Então, OUSE!

 

* Foi copiado? Ótimo! É sinal de que seu trabalho ainda não está bom o suficiente, ainda tem mais para melhorar!

 

* Não seja "purista", de querer fazer tudo somente em AutoIt (ou em uma linguagem só), as vezes distribuir, pode parecer confuso, mas não é... O que quero dizer com distribuir? Veja a linguagem WEB é uma ZONA! HTML + JavaScript + JSON + XML + CSS + PHP! Dá até uma tonteira! Mas cada um faz uma pequena parte que o outro não faz... Tente perceber isso, e não insistir em fazer tudo no AutoIt. Digo isso, para forçar você a ler o meu tópico sobre DLL em C#. Fala uma parte do código em C#, outra parte em AutoIt. Suspeito que "descompilar" uma .dll em C# é mais difícil do que em AutoIt, mas é apenas uma dica.

 

Enfim, boa sorte! As vezes, o sucesso depende de ousadia!

 

Bom primeiramente gostaria de agradecer imensamente as respostas que alem de uma aula completa foram bem esclarecedoras...

 

Sempre que postei minhas duvidas aqui fui prontamente atendido e espero aumentar o meu conhecimento para poder retribuir a toda comunidade...

Com essas respostas ja posso traçar um planejamento de forma mais clara, independente de fazer só em autoit ou misturar linguagens vejo que ainda tenho muito a aprender, até para poder implantar as devidas proteções.

 

Desejo a todos um bom final de semana, obrigado.

 

 

Chris Patterson

 

 

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá.

 

* Não seja "purista", de querer fazer tudo somente em AutoIt (ou em uma linguagem só), as vezes distribuir, pode parecer confuso, mas não é... O que quero dizer com distribuir? Veja a linguagem WEB é uma ZONA! HTML + JavaScript + JSON + XML + CSS + PHP! Dá até uma tonteira! Mas cada um faz uma pequena parte que o outro não faz...

 

Luigi, falastes uma grande verdade!

 

No meu projeto principal também uso várias linguagens para fazer o processo completo, atualmente AutoIt + HTML + JSON + XML + PHP.

 

Bela dica Luigi! ;)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

Sign in to follow this  

×